A fantástica escultura POA_PINquieta de Rogério Pessoa!

Rogério Pessoa

Sou Artista Plástico, e a minha trajetória sempre foi permeada por um perfil empreendedor e deveras inquieto.

Como artista meus projetos sempre tiveram como objetivo a inclusão democrática a todos os públicos. Uma instalação urbana é um discurso plástico do qual silenciosamente provoca reflexões sobre: valorização do espaço, a cultura do preservar, conceitos de repertório visual e estético, educação e desenvolvimento intelectual promovendo as capacidades de pensar, bem como tantas outras sensações estimuladas pela fantasia e imaginação.

Sendo assim foi com muita alegria que realizei a Bienal do Mercosul com 300 esculturas dentro do Guaíba, painel de 700m na Av. Mauá – da Rodoviária até o Mercado Público, 300 esculturas na beira da praia em Torres e Cassino, 300 esculturas com mais de 7 toneladas dentro do Espelho D´água da Redenção, escultura de 12m dentro de um Parque Ecológico em Santa Cruz, Projeto de uma escultura em chamas no interior da Vila dos Papeleiros e a criação do Projeto Drive Thru Gallery do qual a exposição (com 7 esculturas) poderiam ser visitadas sem sair do carro em uma zona de grande vulnerabilidade social, entre outros.

Como proprietário da cafeteria temática Lápis Café criei junto ao Shopping Total a Calçada Cultural, por mais de um ano, bailes a céu aberto todos os finais de semana trazendo atrações musicais ecléticas como: tango, jazz, samba de raiz, flamenco, MPB, rock e tantas outras. Como proprietário do restaurante e cafeteria Café do Cofre no Santander Cultural percebi a necessidade de modernizar as relações com os fornecedores e criei a startup Sistemas Opti, junto com programadores da Dell e SAP para ser um market place para o setor. A Sistemas Opti foi uma das 3 premiadas na Primeira Turma do StartupRS do Sebrae, sendo vendida no ano seguinte.

Estes projetos envolveram milhares e milhares de pessoas, entre expectadores, colaboradores, empresas, gestores públicos e as mais diversas formas de contribuidores, sem os quais não teria sido possível a realização.

Em comum a todos estes projetos é o vivenciar a experiência para poder propor.
É preciso estar presente para perceber a real dimensão daquilo que se almeja “inquietar”.
É necessário vivenciar e estudar para trabalhar a inércia. É inevitável a passagem pelas etapas da vivência antes de se prototipar.

É imperativo de que os conceitos e as crenças estejam diretamente relacionadas as práticas concretas.

A escultura POA_PINquieta se apresenta através de suas etapas e metaforicamente reproduz o vivenciar necessário para que as coisas aconteçam.

Da ideia, do lápis e papel, passando por vários processos e ângulos até o resultado final.

Esta peça é como vejo o POA_Inquieta, a representação concreta do fundamental encontro entre ideia e o conhecimento, a atitude e sua vivencia prática e acima de tudo resultados.

Esboço do Conceito Plástico

Do Lápis ao Ferro – Serralheria

 

Modelagem Argila

Textura – Modelagem Superfície

Fixação Base

Pintura Cerâmica

Fixação da cerâmica

O Passeio da POA PINquieta! – Resultado Final!